O que aconteceu na primeira Sexta-feira Santa?

Mons. Charles Pope. Tradução: Equipe Christo Nihil Præponere

Abril, 15 de 2022

Em que horas exatas se deram os acontecimentos da Paixão de Cristo? O que dizer da escuridão que tomou a Terra enquanto Jesus pendia da Cruz? Confira a resposta a estas e outras questões, à luz do que dizem os Evangelhos.

Jesus foi preso na noite de quinta-feira. As Escrituras relatam: “Conduziram Jesus à casa do sumo sacerdote, onde se reuniram todos os sacerdotes, escribas e anciãos” (Mc 14, 53).

De acordo com a cronologia de Marcos, houve um julgamento simulado, baseado em evidências falsas e distorções dos ensinamentos de Jesus.

Conduziram Jesus à casa do sumo sacerdote, onde se reuniram todos os sacerdotes, escribas e anciãos. Pedro o foi seguindo de longe até dentro do pátio. Sentou-se junto do fogo com os servos e aquecia-se. Os sumos sacerdotes e todo o conselho buscavam algum testemunho contra Jesus, para o condenar à morte, mas não o achavam. Muitos diziam falsos testemunhos contra ele, mas seus depoimentos não concordavam. Levantaram-se, então, alguns e deram este falso testemunho contra ele: “Ouvimo-lo dizer: Eu destruirei este templo, feito por mãos de homens, e em três dias edificarei outro, que não será feito por mãos de homens”. Mas nem neste ponto eram coerentes os seus testemunhos.

O sumo sacerdote levantou-se no meio da assembleia e perguntou a Jesus: “Não respondes nada? O que é isto que dizem contra ti?”. Mas Jesus se calava e nada respondia. O sumo sacerdote tornou a perguntar-lhe: “És tu o Cristo, o Filho de Deus bendito?”

Jesus respondeu: “Eu o sou. E vereis o Filho do Homem sentado à direita do poder de Deus, vindo sobre as nuvens do céu”.

O sumo sacerdote rasgou então as suas vestes. “Para que desejamos ainda testemunhas?!” — exclamou ele —. “Ouvistes a blasfêmia! Que vos parece?” E unanimemente o julgaram merecedor da morte. Alguns começaram a cuspir nele, a tapar-lhe o rosto, a dar-lhe socos e a dizer-lhe: “Adivinha!” Os servos igualmente davam-lhe bofetadas (Mc 14, 53-65).
Segundo a tradição, Jesus passou o resto da noite sob a casa de Caifás, num calabouço que funcionava como uma cisterna para reter a água da chuva.

Os eventos da manhã de sexta-feira são bem agitados. Num espaço de três ou quatro horas, Jesus é enviado a Pilatos, depois a Herodes, depois de volta a Pilatos, interrogado, condenado à morte e levado para ser crucificado às 9h.

Os eventos começam por volta das 6h: “Logo pela manhã, se reuniram os sumos sacerdotes com os anciãos, os escribas e com todo o conselho. E tendo amarrado Jesus, levaram-no e entregaram-no a Pilatos” (Mc 15, 1).

Pilatos não demonstra entusiasmo algum em sobrecarregar-se com tal interrogatório, mas, temendo uma rebelião, ele entra na briga. Sua atitude delata um espírito vacilante. De acordo com Lucas, ele tentou passar o caso para Herodes, que estava em Jerusalém (cf. Lc 23, 6-12). Mas Jesus não disse nenhuma palavra ao rei. Então, depois de zombar de Jesus, Herodes o manda de volta a Pilatos. Em outra tentativa de aplacar a multidão e evitar qualquer decisão, Pilatos apresenta-lhes o equivalente a um pseudo-messias, apropriadamente chamado Barrabás (que significa “filho do pai”). Barrabás pode salvar o dia? Não pode, pois não é o verdadeiro Filho do Pai. Aliás, somente Jesus pode libertar Pilatos, ou qualquer um de nós.

Não tratarei de todo o julgamento perante Pilatos. Ao cabo, ele reconhece que Jesus é inocente das acusações, e não obstante o entrega para ser crucificado. Com isso, é provável que busque salvar a própria carreira. Não toma partido por Jesus. Ao contrário, senta-se no tribunal, viola a própria consciência e condena Jesus à morte. Era por volta da hora terça (9h da manhã).

Há debates sobre a hora exata do dia [em que isso aconteceu] segundo os vários relatos bíblicos. Mc 15, 25 diz que Jesus foi crucificado à hora terça (9h). Em Jo 19, 14, a crucificação acontece à hora sexta (meio-dia). Tanto Mt 27, 45 quanto Lc 23, 44 sugerem um horário mais próximo do meio-dia pela referência a uma escuridão que tomou a Terra do meio-dia às 15h.

Ao considerarmos essas “questões”, devemos ter em mente que as pessoas da época não tinham relógios de pulso ou de bolso. Não falavam nem pensavam com a mesma precisão que nós, ocidentais modernos. O tempo era indicado de maneira geral; a menção à hora terça, à sexta ou ainda à nona poderia englobar um espaço de tempo mais amplo, relativamente próximo da hora declarada. É mais ou menos como nossas expressões “no meio da manhã” ou “no meio da tarde”, que podem abarcar um período de várias horas. Marcos não quis dizer precisamente às 9h da manhã, nem João quer dizer exatamente ao meio-dia.

Há no entanto muita coincidência nas referências ao horário, o que atenua o possível conflito entre os relatos. Seja como for, a necessidade de fixar em horas exatas os diferentes episódios [da Paixão] diz mais sobre as nossas obsessões modernas com o tempo do que sobre os relatos em si, que se aproximam, mesmo sem precisar todos os detalhes, a descrições dos eventos.

A comparação dos textos conduz a uma margem geral de tempo. Parece que Jesus foi submetido a juízo diante de Pilatos e de Herodes no início da manhã (entre 6h e 9h da manhã). Foi condenado por Pilatos à crucificação em algum momento no meio da manhã. Foi ridicularizado e levado para ser crucificado no final da manhã. Perto do meio-dia, foi despido e pregado à Cruz. Do meio-dia até o início da tarde, uma escuridão tomou a Terra, enquanto Jesus pendia da Cruz. Ele morreu no meio da tarde, por volta das 15h.

O que dizer desta escuridão de cerca de três horas? Em Lc 23, 44, lemos: “Era quase a hora sexta e em toda a terra houve trevas até a hora nona” (ou seja, do meio-dia às 15 horas).

Embora pareça descrever um eclipse solar, não é apropriado dizer que foi um (pelo menos como o definimos hoje). Mateus, Marcos e Lucas falam das trevas daquele dia por meio do grego σκότος (skótos), que significa simplesmente “escuridão”. Somente Lucas declara a causa dela: “Escureceu-se o sol” (Lc 23, 45), usando inclusive a palavra grega ἐκλιπόντος (eklipóntos), da qual “eclipse” deriva. Em grego, porém, eklipóntos significa simplesmente “escurecer”, enquanto “eclipse” designa um escurecimento resultante do bloqueio da luz solar pela da Lua. Mas não é isso necessariamente (ou mesmo provavelmente) o que Lucas quis dizer aqui.

Como regra geral, não convém aplicar explicações científicas a um texto quando essa pode não ter sido a intenção do autor. Que houve escuridão sobre a Terra desde o meio-dia até as 15h é fato certo e atestado no textos sagrados, mas a causa declarada da escuridão não foi, definitivamente, um eclipse, pelo menos não no sentido que se dá hoje à palavra. Talvez Deus tenha feito uso de outras causas naturais, como nuvens pesadas, para diminuir a luz do Sol. Também é possível que a escuridão fosse de origem sobrenatural e tenha sido vista por apenas alguns dos presentes.

Quem tenta explicar essa escuridão em termos de leis científicas corre o risco de prestar um desserviço ao texto, perdendo seu significado mais profundo: a escuridão do pecado chegou então ao ápice. Qualquer que seja o “mecanismo” físico da escuridão, sua causa mais profunda foi o mal e o pecado.

Jesus disse noutro lugar: “Ora, este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, pois as suas obras eram más” (Jo 3, 19). Referindo-se à Paixão, também disse: “Virá a noite, na qual já ninguém pode trabalhar” (Jo 9, 4). Quando Judas deixou o Cenáculo para trair Jesus, João observou com simplicidade mas profundidade: “E era noite” (Jo 13, 30). Sim, uma profunda escuridão pairava sobre o mundo.

Não é possível aqui comentar todos os detalhes da crucificação. Embora sejam acontecimentos históricos, também são de profundo significado espiritual. [Por exemplo:] Jesus falou sete vezes na Cruz: pediu ao Pai que nos perdoasse (cf. Lc 23, 34); concedeu misericórdia ao ladrão arrependido (cf. Lc 23, 43); deu-nos sua Mãe e pediu que a levássemos para a casa de nossos corações (cf. Jo 19, 26s); expressou sentimentos de abandono (cf. Mt 27, 46; Mc 15, 34); disse ter sede (cf. Jo 19, 28); anunciou a consumação de sua missão (cf. Jo 19, 30); entregou seu espírito ao Pai e então expirou (cf. Lc 23, 46).

A terra tremeu. Embora os terremotos fossem comuns na região, interpretar o terremoto apenas em termos científicos faz perder seu significado teológico. Cristo rasgou a terra e desceu ao sheol para pregar aos mortos (cf. Jo 5, 25). O véu do Templo rasgou-se de alto a baixo (cf. Mt 27, 51), dando-nos acesso ao Pai. Ele rasgou nossos corações e pôs a descoberto nossos pensamentos. Isso também prefigura o Juízo Final:

Pasmarão a natureza e o morrer,
Quando a criatura enfim se reerguer,
Com o fim de a Deus, o Juiz, responder (do hino Dies Iræ [tradução ao português nossa]).

São três horas da tarde; um grande silêncio reina sobre a Terra. O Verbo de Deus morreu na carne. Ele foi até os mortos para despertá-los.